A violência contra a mulher na fotografia de moda


Por muitos anos, subestimou-se o impacto da fotografia de moda e seu poder como objeto de análise histórica. Entretanto, como as demais formas de publicidade, a fotografia de moda reflete os valores da sociedade em seu tempo: das representações pictóricas vistas nas páginas das primeiras edições da Vogue, no início do século 20, chegamos aos cliques de fotógrafos como Helmut Newton, recheados de erotismo e – muitas vezes – violência.
Apenas recentemente, os debates feministas trouxeram à tona a existência de peças publicitárias de moda que promovem a glamourização da violência contra a mulher, suscitando reflexões acerca da propagação da cultura do estupro pelas grandes mídias.

A VIOLÊNCIA SEXUALIZADA EM PROPAGANDAS HISTÓRICAS

Já na década de 1960, marcas e lojas de varejo promoviam a violência contra a mulher. Exemplos disto são as propagandas das marcas americanas de roupas masculinas Broomsticks e Dracon.

Anúncios da marca americanas de roupas masculinas Broomsticks - Década de 1960 (Foto: Reprodução/Propagandas Históricas)

Anúncio da marca americana de roupas masculinas Dracon - Década de 1960. A propaganda diz: "É bom ter uma garota em casa" (Foto: Reprodução/Propagandas Históricas)

No Brasil, a violência sexualizada esteve presente neste anúncio de setembro de 1969 da revista Êle e Ela, direcionada ao público masculino. A imagem traz três mulheres nuas acorrentadas a uma bola de ferro. O anúncio recomenda ao homem: “Uma receita que está fazendo sucesso no mundo inteiro. Prenda no mínimo três mulheres, para ter – mais ou menos – a certeza de que não acabará sozinho.”  

Anúncio de edição de setembro de 1969 da revista masculina Êle e Ela, mostrando três mulheres nuas acorrentadas a uma bola de ferro. A propaganda recomenda ao homem: "Prenda no mínimo três mulheres, para ter - mais ou menos - a certeza de que não acabará sozinho" (Foto: Reprodução/Propagandas Históricas)

SEXISMO E DOR

Confira outras propagandas controversas. 

Dolce & Gabanna, 2007 (Foto: Reprodução)

Calvin Klein (Foto: Reprodução)

12 Magazine, 2012 (Foto: Reprodução)

12 Magazine, 2012 (Foto: Reprodução)

Calvin Klein (Foto: Reprodução)

Relish, 2009 (Foto: Reprodução)

Redwall, 1997 (Foto: Reprodução/Helmut Newton)

Blender, 2010 (Foto: Reprodução)

Duncan Quinn (Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução/Miles Aldridge)

Landscapes With a Corpse, 1995-2008 (Foto: Reprodução/Izima Kaoru)

Johnny Farah, 2013 (Foto: Reprodução)

Foto de capa: Reprodução/Guy Bourdin

Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e sociedade.

6 comentários:

  1. Acho que a parte triste disso tudo é ter que ver anúncios que cultuam isso em pleno ano de 2016.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de relembrar sobre o perfume Black Dahlia acho que da Givenchy. A modelo na propaganda usava faixas nos lugares em que a Dália Negra foi mutilada! Muito tenso, isso me apavorou por dias! Excelente post, incrível para reflexão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não tinha conhecimento sobre essa propaganda da Givenchy, Amyh! Que horror!

      Excluir
  3. Eu não sei se fico chocada ou revoltada. E as pessoas ainda acham que estamos vitimizando quando falamos que a sociedade cultua crimes contra a mulher (e tantos outros). Eu só fico pensando ande vamos parar com tudo isso?

    Até mais!
    Karolini Barbara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Karolini! É um misto de tristeza e indignação. Tudo continua o mesmo.

      Beijos!

      Excluir