Exploração de mulheres na indústria da moda: um mal histórico


Por Rafaella Britto -


Ao longo da história humana, a escravidão assumiu diferentes formas. Mesmo mais de um século após a assinatura da Lei Áurea, em 1888, ela ainda existe e está por toda parte. E desde os primórdios das civilizações, a escravidão é sofrida cotidianamente pela mulher.
E o que tem a moda a ver com isso? Absolutamente tudo. Em sua obra “O Segundo Sexo” (1949), Simone de Beauvoir descreve como as indústrias da moda e da beleza exercem impacto, especialmente, sobre o corpo feminino: “Os costumes, as modas são muitas vezes utilizados para separar o corpo feminino da transcendência: a chinesa de pés enfaixados mal pode andar; as garras vermelhas da estrela de Hollywood privam-na de suas mãos; os saltos altos, os coletes, as anquinhas, as crinolinas destinavam-se menos a acentuar a linha arqueada do corpo feminino do que a aumentar-lhe a impotência. Amolecido pela gordura, ou ao contrário tão diáfano que qualquer esforço lhe é proibido, paralisado por vestidos incômodos e pelos ritos da boa educação, é então que esse corpo se apresenta ao homem como sua coisa.” (1)

Mulheres num provador de roupas - Londres, 1860 (Foto: London Stereoscopic Company/Getty Images)

A indústria da moda escraviza a mulher que consome e, mais fortemente, a mulher que produz: atualmente, 97% das roupas que vestimos são produzidas no estrangeiro, em países marcados pela pobreza e pelas frágeis leis trabalhistas. Dos 40 milhões de empregados na indústria da moda em todo o mundo, 85% são mulheres. (2)
Desde o fim da última década, as denúncias de trabalho escravo envolvendo redes de produção globais têm suscitado debates acerca da responsabilidade corporativa e dos impactos sócio-ambientais da moda produzida em série para consumo rápido e descartável (fast-fashion).

(Foto: Reprodução/Commons/Wikimedia)

Recentemente, o desabamento do edifício Rana Plaza, em Bangladesh, causou comoção internacional: localizado em Daca, capital de Bangladesh, o Rana Plaza alojava fábricas independentes, com cerca de 5.000 trabalhadores – em sua maioria, mulheres - que produziam para marcas como Zara, H&M, Primark, Benneton, Walmart, Carrefour, The Children’s Place, entre outras. Os funcionários viviam em condições precárias: horas de trabalho contínuo e baixos salários. O edifício desabou em 24 de abril de 2013. As buscas foram concluídas em 13 de maio e o balanço final totalizou 1127 mortos. O incidente já é apontado como uma das maiores tragédias deste século.


Um breve passeio pela história mostra que ainda temos muito a evoluir: com o advento da Revolução Industrial e a consolidação do capitalismo, a mulher assumiu importância econômica, pois deixou as atividades do lar para participar ativamente da produção. Entretanto, foi um processo lento e doloroso para que ela conquistasse seus direitos trabalhistas.
O feminismo marxista de autoras como Alexandra Kollontai preconizava a liberdade das mulheres ligada a do proletariado. August Bebel, um dos fundadores do Partido Social Democrata da Alemanha, escreveu: “A mulher e o trabalhador têm ambos em comum o fato de serem oprimidos”.


Uma imigrante italiana, trabalhadora de uma fábrica têxtil, em Nova York - ca. 1912 (Foto: Reprodução)

Na França, em princípios do século 19, as operárias têxteis trabalhavam sem descanso e ganhavam bem menos que o suficiente para suprir suas necessidades e de suas famílias. O ambiente das fábricas era degradante, fazendo com que muitas operárias contraíssem doenças como a tuberculose. Algumas, impelidas pela fome, submetiam-se aos constantes abusos de seus empregadores.


Operárias da fábrica têxtil Triangle Shirtwaist - Nova York, ca, 1910 (Foto: Reprodução)

Devido a pouca instrução, muitas delas nem sabiam que podiam unir-se em sindicatos para reclamar seus direitos, como ocorre ainda hoje.  Em “O Segundo Sexo”, Beauvoir aponta os seguintes dados: “Em 1905 contam-se 69.405 mulheres num total de 781.392 sindicalizados; em 1908 contam-se 88.906 mulheres num total de 957.120 sindicalizados; em 1912 contam-se 92.336 mulheres num total de 1.064.413 sindicalizados; em 1920 contam-se 239.016 operárias e empregadas sindicalizadas para 1.580.967 trabalhadores e, entre as trabalhadoras agrícolas, somente 36.193 sindicalizadas entre 1.083.957, ou seja, ao todo, 292.000 mulheres sindicalizadas num conjunto de 3.076.585 trabalhadores inscritos nos sindicatos. É uma tradição de resignação e de submissão, uma falta de solidariedade e de consciência coletiva que as deixam assim desarmadas diante das novas possibilidades que se abrem para elas.” (3)


Operárias da fábrica têxtil Triangle Shirtwaist, em Nova York, ca. 1910 (Foto: Reprodução)

Em 1909, a greve das trabalhadoras da fábrica Triangle Shirtwaist, em Nova York, obteve vasta repercussão midiática: a greve, liderada pelas mulheres do sindicato International Ladies’ Garment Workers’ Union, propunha um acordo coletivo por melhores condições de trabalho. O International Ladies’ Garment Workers’ Union foi o primeiro sindicato americano a ter a maioria de filiados do sexo feminino, e existiu até o ano de 1995.


Operárias da Triangle Shirtwaist na histórica greve de 1909 (Foto: Reprodução)

A Triangle Shirtwaist possuía este nome por produzir as famosas shirtwaists (‘camisas acinturadas’), a peça da moda entre as mulheres do fim do período vitoriano até a era eduardiana. Entretanto, a produção dessas peças de luxo custava a vida de centenas de jovens moças imigrantes – grande parte proveniente da Itália -, que trabalhavam 14 horas por dia em troca de um parco salário que variava entre 6 e 10 dólares semanais.  


Operárias da Triangle Shirtwaist (em sua maioria, imigrantes italianas) em 1909 (Foto: Reprodução)

As condições de trabalho eram as piores imagináveis: as operárias viviam amontoadas entre si, num ambiente que abrigava têxteis inflamáveis e era iluminado a gás. No dia 25 de março de 1911, irrompeu o incêndio que causou a morte de 147 operários, sendo 124 mulheres e 23 homens. O evento tornou-se conhecido como a origem do Dia Internacional da Mulher.


Um policial diante dos corpos das vítimas do incêndio na fábrica Triangle Shirtwaist, em Nova York, 1911 (Foto: Reprodução)

Entretanto, a criação do Dia da Mulher não foi impulsionada por este único evento, mas por uma série de acontecimentos que se iniciaram na segunda metade do século 19, quando as mulheres começaram a batalhar por melhores condições de protagonismo na sociedade e pelo direito ao voto. Em 1910, um ano antes do incêndio na Triangle Shirtwaist, a militante socialista alemã Clara Zetkin já havia proposto na II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, em Copenhague, “uma jornada especial, uma comemoração anual de mulheres”.  


Operárias da Triangle Shirtwaist na histórica greve de 1909 (Foto: Reprodução)

As atuais demandas pela ética corporativa na indústria e o consumo consciente provam que moda e política não são indissociáveis. O feminismo não deve calar-se diante da escravização perpetrada contra mais de 30 milhões de mulheres, responsáveis por dar sustentação a uma das principais indústrias do setor econômico mundial. Aos poucos, desconstrói-se a falácia (ou a ilusão) da ‘democratização’ da moda. Não é possível falar em democracia se a moda não assume seu caráter libertário. E esta liberdade deve ser para todos.

Referências:

(1) (3) BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo - Vol. 1: Fatos e Mitos. Tradução de Sérgio Milliet. Difusão Européia do Livro – São Paulo, 1970;

Foto Capa: Reprodução

Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e comportamento.

7 comentários:

  1. Como vemos todos os dias ainda temos que lutar muito, mas agradeço as mulheres que se sacrificaram para que hoje tenhamos um pouco de reconhecimento, excelente post, beijos

    http://www.ritinhaangel.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lutamos e temos de lutar todos os dias. E se chegamos até aqui, foi graças a luta das grandes heroínas do passado. Não iremos desistir.

      Fico feliz que tenha gostado! Beijos!

      Rafaella

      Excluir
  2. Você faz tanta coisa. Fico me perguntando a hora que você estuda para fazer essas matérias maravilhosas, rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Daise, a agenda é cheia, mas sempre arranjo um espacinho. rs Fico feliz que tenha gostado ♥

      Excluir
  3. Um dos melhores artigos, Rafa.Eu tenho muito receio em comprar nas fast fashion, boa parte delas utilizam mão de obra escrava e isso me deprime muito.Acredito que precisa haver o incentivo da produção nacional, cada país deve valorizar o que de melhor suas comunidades produzem no ramo têxtil.

    Falta fiscalização.A problemática da mão de obra é bastante negligenciada, não só por parte das autoridades mas também pelos próprios consumidores. :c



    ResponderExcluir
  4. Eu tenho muito receio em comprar nas fast fashion :c

    Penso que falta fiscalização das autoridades e até mesmo de nós consumidores que voluntaria ou involuntariamente acabamos comprando em marcas com mão de obra escrava.Também acho que falta incentivo para a produção têxtil nacional, cada país deveria valorizar o que o artesão tem de melhor a oferecer.

    É algo bem complicado, com o alto grau de consumismo que nossa sociedade atingiu, eu diria até que é utópico.Cabe às universidades de moda também incentivar projetos com caráter ético, para que possamos ter uma vanguarda que leve a moda não só como um fim, mas também como um meio de propor mudanças.

    Beijo <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em gênero, número e grau, Gabi. Infelizmente, ainda que não queiramos, estamos mais envolvidos neste processo do que possamos imaginar. A valorização do nacional seria o primeiro passo para reverter este cenário, mas, ainda assim, não é suficiente. Como você disse, deve haver fiscalização das autoridades e, também, projetos de incentivo a outras formas de consumo, mais consciente.

      Fico feliz que tenha gostado!

      Beijos <3

      Excluir