Paulo José relembra Cacilda Becker e Walmor Chagas


Em texto publicado em seu blog pessoal, em 15 de agosto de 2014, o ator Paulo José relembrou suas vivências ao lado de Walmor Chagas e Cacilda Becker. A estabilidade do teatro brasileiro viu-se ameaçada após a instauração do regime militar, em 1964, e teatros de significativa influência cultural na sociedade brasileira, como o Teatro de Arena, foram fechados pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social). Perseguidos sob acusação de subversão, Cacilda e Walmor, à época, casados, ampararam em sua residência, em São Paulo, pessoas da classe artística ameaçadas pela repressão. Dentre elas, estava Paulo José, que rememora a grandeza e solidariedade do consagrado casal de atores.

Por Paulo José

Cacilda Becker e Walmor Chagas (Foto: Reprodução)

BREVÍSSIMO RESUMO DE NOSSA HISTÓRIA NOS IDOS DE ABRIL DE 1964

O país.
Dias de grande efervescência política. Os movimentos populares, organizações estudantis e sindicatos das cidades e do campo, exigiam transformações profundas em nosso país. A vasta classe média não abria o bico. Mas o discurso  inflamado de Jango Goulart, Presidente da República, no comício do dia 13 de março, na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, nos dava a certeza que o exemplo de Cuba frutificaria, o capitalismo estava com seus dias contados e a utopia socialista tornava-se realidade possível, palpável, concreta.

Nós.
Esses dias vibrantes nós os passávamos no Teatro de Arena de São Paulo, fazendo a peça de Gianfrancesco Guarnieri “O Filho do Cão”. Eu dirigia e atuava ao lado do próprio autor, Gianfrancesco Guarnieri, e Juca de Oliveira, Isabel Ribeiro, Dina Sfat, João José Pompeo, Anamaria Cerqueira Leite e Abraão Farc. Flávio Império, também diretor do Arena,  assinava a cenografia.

Até que um dia, mais precisamente no dia 31 de março de 1964, começava uma movimentação militar em Minas contra o Governo de Jango, encabeçada pelo General Mourão que se auto-definia como sendo “apenas uma vaca fardada”. Aquilo parecia um autêntico primeiro de Abril, um golpe pífio, uma mentira de pernas curtas. Mas logo as coisas foram mudando, e os generais fiéis a Jango, inclusive o Amaury Kruel, Ministro da Guerra, aderiram ao golpe, derrubaram o Presidente proclamando uma revolução redentora para impedir que o Brasil viesse a se tornar um país comunista. O exército tomou conta das ruas e começava a temporada de caça aos subversivos. Para nosso espanto o dragão da maldade era uma hidra de sete cabeças e apenas uma delas havia sido atingida. A classe média, outrora maioria silenciosa, agora faladeira e rezadeira, marchava com Deus, pela Pátria e Família.

Poucos dias depois do golpe militar, estávamos no teatro apresentando “O Filho do Cão” do Guarnieri. Casa lotada, estranha agitação na plateia, da bilheteria vem a notícia: a rua está cercada por policiais e a ordem é prender o elenco no final do espetáculo. O Arena tinha uma só porta para entrada do público e saída dos atores. Um beco sem saída. A peça chega ao fim, a plateia aplaude e o elenco não vem agradecer. Lá fora cai uma chuva fininha, e, misturado ao público, protegido pelas capas, chapéus e guarda-chuvas, o elenco escapa incólume. Os homens de terno escuro e gravata ficam ainda um tempo, desolados com a perda das suas presas. Também, quem mandou usar óculos escuros à noite?!

CACILDA BECKER ENTRA EM CENA

O Teatro de Arena foi fechado e o DOPS começava a interrogar pessoas da classe teatral procurando identificar seus subversivos. Cacilda Becker foi a primeira a ser ouvida como uma atriz sabidamente não comunista e que poderia identificar os elementos da classe teatral ligados a organizações de esquerda. Cacilda, assistida pelo diretor da Comissão Estadual de Teatro, Nagib Elchmer, teve uma atuação brilhante, segundo relato do próprio Nagib. Foi de uma candura e sonsice extraordinárias. Interrogada sobre vários atores, alguns sabidamente ligados ao Partido Comunista, respondia com elogios à sua vida profissional, falava de peças, personagens que havia feito e ignorava perguntas de ordem pessoal ou política. Alegava estar sempre tão ocupada com ensaios e espetáculos que não lhe sobrava tempo para se interessar por política nem frequentar reuniões políticas ou sociais. Mas saiu de lá com informações de que os diretores do Arena, Flávio Rangel e outros artistas seriam presos. Como ainda não se sabia o grau de violência da repressão, podia  acontecer o pior, todos deveriam desaparecer pelo menos até que se entendesse melhor o que estava acontecendo.

(Foto: Reprodução)

Foi assim que, no dia seguinte ao interrogatório de Cacilda, estava eu dentro de um automóvel, levado para não sabia aonde, por amigos ligados a organizações de esquerda encarregadas de proteger pessoas ameaçadas pelo golpe militar. O carro deu várias voltas pelo centro, parou duas ou três vezes, alguém descia para telefonar, voltava dando novas ordens em voz baixa, num clima de inquietante conspiração. Finalmente chegamos a um edifício da Avenida Paulista, esquina com o Trianon. Meu acompanhante do assento traseiro desceu com minha bagagem, entrou no prédio, voltou depois de alguns minutos, abriu a porta e me disse que eu ficaria ali, na casa de pessoas amigas. A portaria era familiar, o elevador também e quando cheguei ao último andar já tinha certeza do meu destino. Foi com enorme alegria que vi a porta se abrir e ali estavam Cacilda Becker e Walmor Chagas dando as boas-vindas. Ao entrar na sala vejo Flávio Império, meu querido amigo que também havia sido trazido por outros anjos protetores. Logo depois chegava Dina Sfat para me visitar e tivemos um encontro de forte emoção. As notícias eram desencontradas, ninguém sabia ao certo o que estava acontecendo. Sabíamos que devíamos ficar ali, Flávio e eu, por algum tempo, felizmente junto de pessoas tão generosas e solidárias. Flávio Rangel foi para o Rio de Janeiro onde tinha apartamento, Augusto Boal fora mandado para o interior de São Paulo,  se não me engano para uma fazenda da família Mesquita, donos do jornal O Estado de São Paulo. E Juca de Oliveira e Guarnieri, coitados, mandados pelo trem da morte para a Bolívia!
O apartamento de Cacilda e Walmor era muito amplo, com um enorme terraço que nos permitia ter uma vista geral da cidade. Uma bela casa no alto de um prédio, que davam a Cacilda e Walmor uma imagem de atores bem sucedidos. Tinham um grupo permanente funcionando no teatro da Federação Paulista de Futebol, na Brigadeiro Luís Antônio, o Teatro Cacilda Becker. Haviam feito excursões pelo Brasil de grande sucesso. Em 1958 eu morava em Porto Alegre e o TCB, Teatro Cacilda Becker, recém-fundado, fez lá uma temporada de quase quatro meses, com um repertório de seis peças, “O Protocolo” de Machado de Assis, “Pega-Fogo” de Jules Renard, “Mary Stuart” de Schiller, “O Santo e a Porca” de Ariano Suassuna, “Jornada de um Longo Dia Para Dentro da Noite” de Eugène O’Neill e “Santa Marta Fabril” de Abílio Pereira de Almeida. Todas as peças dirigidas pelo Ziembinski. A estreia da temporada gaúcha no Teatro São Pedro, com “O Protocolo” e “Pega-Fogo” foi inesquecível, com uma plateia aplaudindo delirantemente por mais de vinte minutos. Foi a maior ovação a que assisti em toda minha vida. A temporada continuou seu sucesso em cidades do interior gaúcho até chegar em Montevidéu, sempre lotando os teatros, com rasgados elogios da imprensa uruguaia.
Essa temporada, com um extenso repertório e grande elenco, seria inimaginável nos dias de hoje. Mas naquele tempo o teatro ocupava um lugar importante na vida cultural do país. Grandes companhias permanentes se multiplicavam no Rio e São Paulo, e havia movimento teatral significativo em Salvador, Recife, Belo Horizonte e Porto Alegre.

(Foto: Acervo de Orias Elias/Astros em Revista)

Mas isso não impedia que às vezes grandes reveses colocassem em risco a continuidade de trabalho dos teatros estáveis. Em 1963 o Teatro Cacilda Becker amargava um tremendo fracasso com “César e Cleópatra”. Isso em um espetáculo dirigido por Ziembinski, com Fredy Kleemann, Kleber Macedo e Jorge Chaia, fundadores da companhia, além de atores como Raul Cortês, Graça Mello, Stênio Garcia e Plínio Marcos. Para pagar dívidas Cacilda e Walmor haviam vendido até a Kombi que servia a companhia. Restou-lhes o apartamento onde continuavam cheios de otimismo promovendo todas as segundas–feiras leitura de peças inéditas de autores brasileiros. Participavam das leituras atores como Fredy Kleemann, Kleber Macedo, Raul Cortez, Gianfrancesco Guarnieri, Dina Sfat, Isabel Ribeiro, Juca de Oliveira, Graça Melo, Benedito Corsi, diretores como Gianni Ratto, Flávio Rangel, Augusto Boal, autores como Jorge Andrade, Bráulio Pedroso. No amplo terraço improvisava-se um auditório ao ar livre, platéia com umas vinte ou trinta cadeiras, mesa para os leitores, um bar com bebidas, água e café e algumas vezes com o cenário extra de uma bela lua num céu estrelado.
Assim, na primeira segunda-feira após nossa mudança, houve leitura de uma peça do Bráulio Pedroso. Flávio e eu, na nossa condição de clandestinos acompanhamos a leitura e debates protegidos pelo escuro da sala contígua ao terraço. Dina, sentada na última fila e bem próxima de onde estávamos ficava de lá pra cá, ora com a gente, ora com a assistência da leitura. Após a apresentação da peça houve um debate que se estendeu até as duas horas da madrugada.
Na outra segunda-feira, já cansados de ser Anne Frank, resolvemos aparecer na leitura sem dar a entender que estávamos morando ali. E os convidados eram todos amigos. Foi um encontro muito emocionante porque apesar da insegurança e o medo, todos continuavam vivos, cheios de planos e com muita energia para responder à agressão sofrida. E assim fomos levando nossas primeiras semanas. As rádios e televisões estavam sob censura e as poucas notícias que recebíamos eram as trazidas por Dina, que me visitava todos os dias e outras trazidas por Cacilda e Walmor. Começávamos a viver a rotina da casa, com a companhia permanente de Fio, um pastor alemão que era nosso guardião. Todas as noites, Walmor saía para o passeio diário do cão, dando a volta no Trianon e regressando meia hora depois. Naquele tempo as ruas e parques eram lugares seguros, não havia violência urbana, assaltos. Mas havia outra forma de violência, mais cruel, mais arbitrária, a da repressão política, primária, irracional, estúpida.
Depois de quatro semanas de agradável reclusão, como as notícias eram tranquilizadoras para o nosso lado, a classe teatral não era tão perigosa assim nem o golpe militar havia sido dado por nossa causa, Flávio e eu voltamos para nossas casas. Continuamos participando das leituras das segundas-feiras onde cada vez mais a política  era o tema principal. Um forte movimento de resposta à agressão sofrida crescia em todo o país. Os anos que se seguiram foram admiráveis, o teatro, o cinema, a música, as atividades estudantis nunca haviam sido tão pujantes. Até o dia 13 de dezembro de 1968, quando o Ato Institucional n. 5 fechava o Congresso, acabava com as liberdades individuais, o direito de reunião, o habeas corpus, a inviolabilidade do lar, e começavam os anos de ferro que entrariam pelos anos 70 pondo fim a todo aquele movimento teatral que começara nos anos 50. Acabavam os teatros estáveis, os teatros de grupo, o Cinema Novo, e nossas vidas tomaram rumos diferentes.
Fui morar no Rio de Janeiro, entrei para a televisão e passei a ter contatos muito esporádicos com a gente de teatro de São Paulo. Mas até hoje, quando passo pela Paulista na esquina do Trianon, me vem à memória aquele gesto até certo modo surpreendente daqueles dois que, sem fazer alarde de suas posições políticas, haviam praticado um ato de  solidariedade como só as pessoas com grandeza de alma são capazes de praticar. 
Cacilda e Walmor, obrigado para sempre!


Paulo José -  Rio, 11 de setembro de 2002.
                                                    Rio, 15 de agosto de 2014.


Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e sociedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário