Tradição, empoderamento feminino e consciência social na moda de Naty Muñoz


Naty Muñoz para Ripley - Inverno 2009. Tecido confeccionado a mão por mulheres tecelãs de comunidades de Lima, Peru. - (Foto: Facebook/Reprodução)

Por Rafaella Britto 

Tradição, empoderamento feminino e consciência social. Soa contraditório quando discutimos moda? Para a peruana Naty Muñoz, não: estilista e consultora de desenvolvimento de produto especializada em tecelagem, Naty apresentou suas propostas interculturais nas passarelas de Paris, conquistando espaço na imprensa mundial. Em busca do genuíno, a pluralidade de sua moda étnica resulta da vasta informação imagética e tecnológica, e do domínio da história, tradições ancestrais e realidade mundial. Líder da APDEPT (Associación Peruana de Diseñadores Especializados em Tejido de Punto), instituição engajada na produção têxtil nacional, transforma seu universo de agulhas e carretéis em ato político, instruindo mulheres em comunidades marginalizadas do Peru. Na contramão da escravização presente na indústria fast-fashion, preza pelo legado das técnicas artesanais.
Em nossa conversa por e-mail, Naty recomendou-me a leitura de dois de seus textos publicados em sua página oficial. Em um deles, diz: “Meu sonho não é essa expressão de processo laboral, instrumental e subordinado. Quero ver o rosto das centenas de mulheres (e homens) que desenvolvem seus produtos de qualidade nas oficinas caseiras e nas centenas de milhares de associações de produtores em todas as regiões de nosso país, homens e mulheres que são proprietários de suas técnicas, seus saberes e seus desenhos, e seguem visando o progresso de suas famílias como um processo comunal, generoso e vital. Esta é a esperança que levo dia a dia.”
Naty Muñoz é otimista quanto ao futuro: “Só depende de criar políticas consertadas, onde se privilegie os artistas têxteis tradicionais, para que organizemos as cidades e províncias a um progresso que inclua a nós todos.” A estilista falou com exclusividade ao Império Retrô.

A estilista e consultora de moda peruana Naty Muñoz - (Foto: Facebook/Reprodução)

Império Retrô – Nos fale sobre você: quem é Naty Muñoz e como iniciou sua carreira na moda?

Naty – Sou uma mulher apaixonada de 39 anos, mãe de um filho de 15 anos, amante de gatos. Uma mulher sensível, amante do Peru e de viagens.
Meu interesse pelos têxteis tradicionais começou há 20 anos, quando eu tinha 18. Iniciou com minhas viagens, quando conheci mais estreitamente os tecidos tradicionais. Desde então, sabia que minha vida estaria ligada a este mundo de tecidos, cores, gente bonita e muito aprendizado. Uma vez minha mãe me disse, logo que viu um artigo no jornal sobre Olga Zaferson: “Isto é o que você gosta.” E ela tinha razão.
No mesmo ano, decidi enveredar pela carreira de designer de moda, e desde o começo tenho afeição pela produção têxtil tradicional, e meus conhecimentos adquiridos em casa, através dos tecidos, eram notáveis. Comecei a trabalhar para uma empresa de exportações de vestuário. Logo uma ONG conheceu meu trabalho e me convidou para trabalhar dando assessoramento aos tecelões do sul de Lima. Isto me levou a conhecer mais de 100 oficinas entre Villa El Salvador, Villa Maria (meu bairro), San Juan de Miraflores, Pachamac y Chorrillos. Percorri todos esses distritos, especialmente os assentamentos humanos, onde conheci muitos jovens. Pouco tempo depois, essa ONG me pediu para fazer viagens de consultoria em desenho e desenvolvimento de produto.
Foi assim que iniciei profissionalmente minhas viagens, no ano 2000. Pouco a pouco o compromisso foi crescendo e me dei conta de que não se tratava só de ir desenhar e capacitar. Se tratava de aprender, se tratava de identidade, de reivindicação, de memória, de empoderar mulheres, de conhecer um país diversificado. A moda me trouxe empoderamento. Poucos sabem, mas tive uma relação de violência doméstica com o pai do meu filho. Quando nossa relação terminou, eu era dependente emocional e economicamente de alguém, e a moda se converteu em minha oportunidade de ser independente, de me empoderar, e quero essa mesma oportunidade para todas as mulheres. Quero que se deem conta de que é possível, a partir da moda, construir uma vida digna para nós e para nossos filhos.


Naty Muñoz promove oficinas têxteis em comunidades marginalizadas do Peru - Cusco, 2013 - (Foto: Facebook/Reprodução)

Império Retrô – Ao longo dos seus anos de carreira, você figurou entre os destaques de eventos como Flashmode (evento promovido pela Aliança Francesa de Lima, que visa descobrir os novos talentos da moda peruana) e chegou a apresentar suas coleções nas passarelas de Paris. Quais oportunidades foram abertas após a conquista destes prêmios?

Naty – Foi uma grande oportunidade, ser a vencedora desse evento me abriu as portas para os meios de comunicação, o que fez com que meu trabalho fosse mais valorizado. As pessoas se deram conta de que é possível fazer moda a partir dos têxteis tradicionais. Em Paris me foram abertas algumas portas, as pessoas gostaram muito dos meus modelos e todo o processo que há por trás deles, como o trabalho com mulheres tecelãs nas mais remotas áreas do Peru.


Naty Muñoz apresenta coleção desenvolvida em parceria com mulheres tecelãs de comunidades peruanas no evento Ethical Fashion Show - Paris, 2012 - (Foto: Mattheu Granier/Reprodução)

Império Retrô – Como funciona o seu processo criativo?

Naty – Não sei dizer ao certo como funciona o meu processo criativo, mas a proximidade das mulheres com quem trabalho nas comunidades, as cores, os cheiros, as informações que recebo também através da internet, tudo isso enche minha mente de ideias que se traduzem nas necessidades de cada projeto. A cor desempenha um papel muito importante. Quase todos os meus designs começam tendo como ponto de partida a cor, e também é muito importante resgatar e promover as técnicas têxteis tradicionais. Por exemplo, na maioria das peças que desenho, eu me envolvo com as formas dos tecidos, mas as iconografias e as maneiras com que serão combinadas as cores dependem das artistas com quem trabalho. É importante que se manifeste toda a riqueza criativa que elas têm. A lembrança da minha mãe também é um ponto fundamental no meu processo criativo, tudo o que aprendi com ela está presente em minhas coleções.


Coleção "Awicha", que em aymara significa "Espírito Ancestral". Homenagem à sabedoria ancestral indígena - 2010 - (Foto: Facebook/Reprodução)

Império Retrô – Um traço marcante no seu trabalho é a busca pela afirmação de uma identidade nacional. Paralelamente ao trabalho de criação de moda, você desenvolve oficinas e trabalhos sociais em províncias peruanas. Em um mercado capitalista voraz, que desconhece limites, como você concilia moda e consciência social?

Naty – Eu acredito que a consciência social deve estar em todo tipo de trabalho, mas claro, falar de moda e tradição parece uma contradição, mas é possível. Em mim, esse processo se deu de maneira natural, como uma necessidade de vida. Não se trata de roupas, se trata de tudo o que sucede nos processos de elaboração destas atividades. A moda surge como uma ferramenta de empoderamento feminino. Como um espaço de encontro, de resgate, de valorizar os saberes tradicionais, de reafirmação de identidade cultural. A moda se manifesta como a essência mais pura do trabalho comunitário e da sabedoria ancestral em mãos sensíveis.


Naty Muñoz (última, à direita) promove oficinas de tecelagem para mulheres de comunidades marginalizadas do Peru - (Foto: Facebook/Reprodução)

Império Retrô – O que é a APDEPT (Associación Peruana de Diseñadores Especializados en Tejido de Punto)?

Naty – A Associación Peruana de Diseñadores Especializados en Tejido de Punto (APDETPT - Associação Peruana de Designers Especializados em Tricô) é constituída por um grupo de profissionais do design, que se uniram com o objetivo de impulsionar toda atividade relacionada à produção têxtil no país. Isto vai desde promover a conservação dos valores patrimoniais, artísticos e culturais do Peru, até impulsionar seu estudo e inovação criativa e técnica, com o propósito de otimizar seu aproveitamento como atividade produtiva e econômica em diferentes níveis, dando ênfase ao mercado internacional. Desde sua fundação em 2010, nossa instituição está vinculada ao Swiss Import Promotion Programme (SIPPO), da Suíça, para o planejamento e realização de diversas atividades orientadas, dentre as quais estão analisar, gerar e difundir informação de tendências.


Naty Muñoz ensina desenho de moda às mulheres de San Miguel, Cajamarca, Peru - (Foto: Facebook/Reprodução)

Império Retrô – A questão da apropriação cultural vem sendo bastante discutida atualmente. Recentemente, Vivienne Westwood trouxe para a Semana de Moda de Paris, em sua coleção Outono/Inverno 2014-2015, peças e elementos inspirados na cultura indígena. Para você, há real interesse na promoção de culturas relegadas ao esquecimento no universo globalizado?

Naty – Realmente, eu sinto que usam e se apropriam de patrimônios culturais, sem o menor respeito pela difusão da verdadeira autoria dos produtos. Falando de Vivienne Westwood, ela apresentou peças tradicionais de uma zona da Amazônia peruana, e em nenhum momento, durante o desfile, se mencionou o Peru ou a nação Awajun e Ashaninka, na qual as peças, motivos e acessórios foram inspirados.


Vivienne Westwood, na coleção Inverno 2014-15, apresenta túnica e motivos inspirados na nação Awajun e Ashaninka - (Foto: Reprodução)

Império Retrô – Os turistas que chegam a países como Peru e Bolívia fotografam as mulheres indígenas em seus trajes típicos, mas ignoram que os trajes femininos andinos como conhecemos nos dias de hoje foram, na verdade, impostos pelos colonizadores europeus, e inspirados nos trajes regionais das camponesas de Andaluzia e Estremadura. Esta denúncia é feita por Eduardo Galeano no livro “As Veias Abertas da América Latina”. Nós, latino-americanos, fomos forçadamente sujeitos culturalmente aos europeus. Em sua opinião, como essa sujeição histórica se reflete no presente? Será que isso sufoca a nossa capacidade criativa?

Naty – Os indígenas foram tão inteligentes que converteram esses trajes impostos, como as saias (para mencionar algum), em cores e iconografias próprias de nossa região. Isso agrega um valor único e um retorno às raízes, mesmo diante desta imposição tão violenta por parte dos europeus. Eu acho que nada sufoca a nossa capacidade criativa. Temos rituais, festas e costumes que claramente se manifestam. Apesar das imposições do passado e do presente, não perdemos nossa essência.


Bastidores do Ethical Fashion Show - Paris, 2012 - (Foto: Facebook/Reprodução)

Império Retrô – O Brasil pouco sabe a respeito das produções culturais de seus países vizinhos. Diga-nos: o que de melhor a moda peruana e a nova geração de estilistas latino-americanos têm a oferecer ao mundo?

Naty – Precisamos de mais apoio do Estado. Lamentavelmente, o Estado peruano só apoia um pequeno grupo de estilistas da elite. São muito bons, claro, mas temos outros estilistas com ideias muito mais inovadoras a partir das tradições têxteis nacionais. Precisamos ir às nossas raízes, confiar no que somos e o que temos, e fundir tudo isso às novas tecnologias.

Império Retrô – Quais são seus projetos em andamento e quais ainda estão por vir?

Naty – Atualmente estou em dois projetos, um com a etnia Shipibo na comunidade de San Francisco de Yarinacoha, em Pucallpa, que tem sido um dos mais satisfatórios, pois estamos em conjunto com as bordadeiras. Estamos vendo todas as estampas dos tecidos e também estamos recuperando as técnicas xao kené, que é o kené antigo (kené é como chamamos os desenhos shipibos) e a morín, que é uma aplicação feita em tecido bordado na cor crua. Outro projeto em que estou envolvida é em Cajamarca, com quatro comunidades: Tacabamba, onde estamos trabalhando com a técnica de tecido em reserva de urdidura, uma técnica tradicional que se desenvolveu em Cajamarca e que também se conhece pelo nome de ikat; Costumaza, onde estamos realizando trabalhos em crochê; Cuyumalca, com o trabalho de tear; e San Miguel, também com tear. Estou viajando bastante pelo Peru: Amazonas, Pucallpa, Cusco, Piura, Huanuco, Junin, Puno, Arequipa, Moquegua, La Libertad, Tumbes, Cajamarca. Todo o país é um lugar explorável pela diversidade de técnicas têxteis, há tanto para se aprender que me pergunto se viverei o suficiente para conhecer tudo o que me resta. Mas existem dois lugares aos quais eu gostaria muito de ir: um é Tupe e Yauyos, em Lima, e o outro é San Ignacio de Loyola, em La Libertad, onde no próximo ano iniciarei um interessante projeto pessoal.

Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e sociedade.

4 comentários:

  1. Que desfiles maravilhosos *-* e o conceito todo é muito digno.
    Eu penso que precisamos sim valorizar as técnicas típicas de cada região, além de servir como o emprego de muita gente (que na maioria das vezes fica à margem da indústria têxtil), também confere uma pluralidade muito grande às roupas e desfiles.

    Bjão, Rafa!

    ResponderExcluir
  2. Que belo trabalho de resgate e preservação cultural tem essa jovem estilista, Naty Miñoz. Coragem, consciência e talento!
    Meus parabéns pela entrevista de alto nível, Rafa!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito ! Naty Miñoz , consegui mostrar que a sociedade indígena do peru deve ser lembrada e valorizada , pq essa é a verdadeira cultura do povo latino. O puro, o simples, acaba se tornando belo e elegante , sem precisar de luxo capitalista e padrões estadunidenses ou até mesmo o europeu. Belo trabalho Rafa , o seu e o dessa outra estilista! ^_^_ parabéns .

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito ! Naty Miñoz , consegui mostrar que a sociedade indígena do peru deve ser lembrada e valorizada , pq essa é a verdadeira cultura do povo latino. O puro, o simples, acaba se tornando belo e elegante , sem precisar de luxo capitalista e padrões estadunidenses ou até mesmo o europeu. Belo trabalho Rafa , o seu e o dessa outra estilista! ^_^_ parabéns !!!

    ResponderExcluir