A infância Eduardiana em cores

Por Rafaella Britto

(Foto: Etlheldreda Laing/National Media Museum)

Entre 1908 e 1910, a fotógrafa britânica Etheldreda Laing documentou a infância Eduardiana em imagens coloridas.
Pioneira na fotografia a cores, Etheldreda Laing nasceu na cidade de Ely, Inglaterra, em 1872, filha de Richard Winkfield, à época diretor da tradicional escola King’s Ely. Após concluir os estudos de arte e desenho em Cambridge, aos 23 anos, Etheldreda casou-se com o advogado Miskin Laing, em 1895, e mudaram-se para Oxford.
Laing vinha exercendo a atividade de fotógrafa amadora desde a década de 1890, e tinha em sua casa seu próprio estúdio de revelação. No início do século 20, demonstrou grande interesse pelo processo de fotografia a cores em autocromo, patenteado em 1903 pelos irmãos Lumiére, na França. De forma caseira e experimental, Laing captou poéticos registros de suas filhas Janet (nascida em 1898) e Iris (nascida em 1903).

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

As imagens foram captadas, em sua maioria, no jardim da residência. Em algumas das fotografias tiradas em ambiente interno, Janet e Iris posam vestidas em quimonos japoneses, por influência do Orientalismo, bastante em voga no período. Em outro momento, é Etheldreda quem posa para um retrato.

À direita, retrato de Etheldreda Laing
(Fotos: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

Etheldreda Laing continuou a praticar a fotografia como hobby, e faleceu em 1960, aos 88 anos. Pouco se sabe a respeito de sua vida, porém é lembrada por suas contribuições ao desenvolvimento da fotografia, e seus retratos pertencem ao National Media Museum, na Inglaterra.  

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Foto: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Fotos: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Fotos: Etheldreda Laing/National Media Museum)

(Fotos: Etheldreda Laing/National Media Museum)


Fonte:

Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e sociedade.

4 comentários:

  1. Que linda as imagens, naquela época não podia tirar fotos sorrindo
    eu li em algum lugar que eles acreditavam na cresça que ao sorrir ao tirar uma fotografia
    seu espirito ficava aprisionado na maquina... rsrs
    Bom se é verdade ou não é uma boa historia.
    Beijos
    http://cherrycriis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que não, Cris, já vi várias imagens de Eduardianos sorridentes. Acho que essa história procede em tempos mais remotos. Esse tipo de crença é muito característico da Era Vitoriana, um período bastante místico em alguns aspectos.

      Beijos!

      Excluir
  2. Muito show essas fotos, mostrando a beleza natural e a sensualidade inocente que fazia toda diferença nas imagens, adorei, beijos

    http://www.angelimcosmeticos.com.br/

    ResponderExcluir