Entre passado e presente: conheça 7 garotas vintage ao redor do mundo

Por Rafaella Britto

Já dizia Ginger Rogers: “Talvez eu seja antiquada, mas filmes em preto e branco continuam tendo um lugar especial no meu coração”.
O vintage vai muito além da tendência das saias rodadas e dos delineados pin-up de Dita Von Teese, Lana Del Rey e Amy Winehouse: é um estilo de moda e comportamento que evoca décadas passadas, e possui características de exclusivismo. As roupas com cara de "antiguinhas" vêm sendo recriadas pelos fashionistas apaixonados pelo glamour do passado, e estão cada vez mais presentes nas passarelas e nas ruas.   
O Império Retrô entrevistou 7 garotas de diferentes idades ao redor do mundo para saber, afinal de contas, o que é essa moda. E o que estas mulheres têm em comum? Um certo saudosismo, talvez. Mas todas elas, cada qual à sua moda e criatividade, provam que o clássico veio para ficar.

Nora, 28 – Inglaterra

Foto: Reprodução/Nora Finds

Nora nasceu em Manado, Indonésia e, atualmente, vive em Londres, Inglaterra. Nora sempre foi fascinada pela estética vintage, mas não era adepta até cinco anos atrás. Constantemente inspirada pela História, por fotografias antigas e outros seguidores do estilo, seus looks podem ser vistos no blog Nora Finds.

“Para mim a moda é uma maneira de se divertir e de se expressar”.

Foto: Reprodução/Nora Finds


Olivia, 17 – Irlanda

Foto: Reprodução/Instagram

Olivia nasceu em Cracóvia, Polônia, é filha de mãe irlandesa e, atualmente, vive na Irlanda. Prestes a concluir o colégio, pretende enveredar por carreiras nas artes e no teatro musical. Grandemente inspirada pelo ator e dramaturgo Noel Coward, o amor pelas artes permeia seu comportamento e sua moda: suas paixões são a Paris da década de 1920, e os escritores André Breton e René Crevel. Adoradora perpétua do cinema mudo, Olivia revela que o fascínio pela beleza de atrizes como Gloria Swanson, Bebe Daniels e Joan Blondell levou-a a aventurar-se a gastar em peças originais a maior parte do salário que ganhava trabalhando em uma sorveteria. Ela conta que não pode sair à rua sem ser perguntada se vai a um casamento.

“Para mim, a diferença entre moda e estilo é que a moda passa, o estilo não. O estilo está em você. A moda, quando interpretada a partir dos seus próprios gostos, pode durar o tempo de uma vida, assim como eu interpreto a moda dos anos 20 e 30. Mas o que torna essas peças únicas é a confecção caseira, feita à mão e embelezada por pequenos detalhes. As roupas na atualidade são produzidas em grande escala e são muito comerciais. Eu acho que as pessoas deveriam ser livres para escolher a maneira de usar suas roupas, e esta é a única forma de mostrar aos estranhos por quem nós passamos que não somos iguais. Por isso eu penso que devemos ser livres e fazer a nossa moda, assim construímos o nosso estilo. Estilo é usar a roupa da forma como você quer usar, e não como os outros querem que você use. Acho que todo mundo deveria abraçar sua individualidade e vestir o que verdadeiramente deseja vestir.”

Foto: Reprodução/Facebook


Sara, 23 – Finlândia

Foto: Reprodução/Facebook

A costureira Sara nasceu em Carélia do Norte, Finlândia. Foi introduzida ao mundo vintage em 2009, através do fascínio pelo jazz e cinema clássico, especialmente a beleza presente em filmes finlandeses das décadas de 1930-40. Dentre suas inspirações, estão blogueiros vintage e antigas revistas de moda. Vivendo entre passado e presente, compartilha seu lifestyle no blog Ladylike Delicacy.

“A moda moderna não me atrai. Eu não sigo tendências cegamente, e mesmo quando estou vestida vintage da cabeça aos pés, nem sempre sou autêntica a uma década específica. Meu senso de estilo é pessoal, eu visto o que gosto, e tenho esse péssimo hábito de não gostar das tendências mainstream, mesmo no mundo vintage”.

Foto: Reprodução/Facebook


Daise, 25 – Brasil

Foto: Reprodução/Juja Kehl/Thainá Lossëhelin

Daise nasceu na Bahia, porém mudou-se para São Paulo com um ano e meio de idade, e adaptou-se ao estilo de vida paulistano. A publicitária mantém o blog Menteflutuante Retrô, de cunho pessoal, além de ser uma das idealizadoras e editoras do portal Universo Retrô.

“Quando eu era mais nova era um pouco contra a moda, por achar que apenas garotas fúteis gostassem disso (pensamento erradíssimo o meu, mas coisa de adolescente), tanto que demorei muito para começar a usar maquiagem, porque achava que era algo superficial também. Em contrapartida, sempre tive um estilo mais alternativo na época da escola, pois sempre gostei de rock e ouvir esse tipo de música contribuía para isso. Com o tempo, minha percepção foi mudando e percebi que moda não era nada fútil e sim uma forma de se expressar e se comunicar, de mostrar quem você é, o que você gosta e quais são suas referências. O gosto pela moda vintage veio como uma evolução do lado mais alternativo que eu levava. A pressão social e familiar para ‘ser mais adulta e ter um estilo mais mulher e menos adolescente’ começou a aumentar quando fiz 18 anos. Comecei a buscar então por um estilo alternativo que tivesse mais a ver comigo. Acabei conhecendo e me identificando com a cultura retrô, da qual eu já tinha uma pequena essência (pois sempre gostei de história, arte, música e coisas antigas em geral) e não sabia. Desde então, tenho me aprofundado mais no assunto e buscado cada vez mais referências sobre isso. Eu não tenho uma inspiração (feminina) em específico. Existem muitas mulheres que admiro. Além delas, geralmente, busco inspiração em livros e principalmente na internet (amo Pinterest e Instagram) e adapto ao que mais combina com o meu estilo.”

Foto: Reprodução/Thainá Lossëhelin


Emileigh, 23 – EUA

Foto: Reprodução/Flashback Summer

A norte-americana Emileigh é quem está por trás do Flashback Summer, um blog pessoal, porém com uma vasta visão do mundo: Emileigh nasceu e foi criada no estado de Missouri, até que, aos 17 anos, mudou-se com a família para o Egito. Logo após, morou no Sudão, e retornou a Missouri para estudar na universidade, onde conheceu o marido. Emileigh tornou-se adepta do vintage durante os anos de faculdade. Em suas composições, predominam os olhares interculturais, combinando a moda ocidental das décadas de 1940-50 ao tradicionalismo do Oriente.

“Para mim a moda é uma maneira de me apresentar aos outros. Isso me permite adaptar a percepção que as pessoas têm de mim, mesmo sem dizer uma palavra”.

Foto: Reprodução/Flashback Summer


Lindsay, 28 – Holanda

Foto: Reprodução/Miss Lindsay Lane

Lindsay nasceu e foi criada na cidade de Apeldoorn, Holanda, onde vive com seu namorado e dois gatos. Ainda na infância foi seduzida pela beleza e o glamour do cinema clássico. Durante a adolescência, vestia-se de maneira ‘alternativa’, e o gosto pela moda vintage floresceu em sua fase ‘rebelde’. Em seu blog Miss Lindsay Lane, compartilha dicas de beleza e suas paixões por arte, escrita e viagens.

“Meu amor pela moda começou ainda em uma idade muito jovem, quando vi que esta era uma boa maneira de me expressar”. 

Foto: Reprodução/Miss Lindsay Lane


Lais, 32 – Brasil

Foto: Reprodução/Miss Cherry Vintage

Lais é paulistana, e sua relação com o vintage iniciou ainda cedo, no ambiente familiar, envolvida pelas memórias da mocidade de sua mãe e avó, através de relatos, álbuns fotográficos, filmes e músicas. Logo apaixonou-se pela delicadeza, feminilidade, elegância e sensualidade velada das mulheres de antigamente. A aprendiz de costureira inspira-se na beleza e moda americana das décadas de 1940-50 e divas brasileiras, buscando referências em livros, filmes e fotografias. Suas inspirações são compartilhadas no blog Miss Cherry Vintage.

"Como disse Mademoiselle Chanel: 'A moda passa. O estilo permanece.' Moda tem mais a ver com o momento em que se vive. As tendências, as modelagens, os padrões, são determinados pelo momento em que vivemos. O cuidado que temos ao escolher uma peça ou acessório é uma maneira de refletir o que está na nossa alma. Nós vivemos em constante mudança, mas o que permanece é nossa essência. Então, independentemente de uma cor, modelagem ou qualquer referência que esteja em evidência (na moda), o importante é estar bem consigo mesmo. Adeque-se a você e seja feliz!"

Foto: Reprodução/Miss Cherry Vintage

Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e comportamento.

6 comentários:

  1. Meu Deus quanta mulher bonita em um lugar só, adorei o post e ver as brasileirinhas aderindo o Vintage
    genuíno é uma grande satisfação, concordo com o depoimento de todas, as pessoas deveriam ter um estilo mais próprio,
    comprar uma peça genuína você faz um bem tão grande pra todos.
    Parabéns matéria linda <3

    ResponderExcluir
  2. Rafaaa, amei a matéria e amei mais ainda o convite, que orgulho estar o lado dessas meninas lindas e estilosas!!

    Bjuuus e obrigada <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina, querida, eu que agradeço você por ter aceitado!

      Beijos!

      Excluir
  3. Gente, como assim eu ainda não havia comentado aqui? Adorei participar Rafa, muito obrigada pelo convite, foi uma honra estar no meio de tantas garotas lindas.

    Já compartilhei o link em "mídia" no blog, depois faço uma matéria no blog linkando para cá também :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina, Daise, eu agradeço por você ter aceitado participar. Muito obrigada!

      Beijos!

      Excluir