O vitrinismo na história e sua importância na construção da imagem de moda

Por Rafaella Britto

Foto: Reprodução

Desde os tempos antigos, o vendedor utiliza a imagem como ferramenta de comunicação para atingir o consumidor.
A palavra “vitrine” deriva do latim “vitre” (vidro). O vitrinista é o profissional responsável pela elaboração de vitrines de acordo com o conceito do produto e as necessidades dos lojistas, visando despertar o interesse do público-alvo na compra do produto.
Há registros de que os povos orientais, já antes de Cristo, utilizavam-se desta técnica de marketing para vender seus tecidos, repletos de cores. Entre os anos 100 e 110 d.C., Roma inaugurou o mercado de Trajano, o primeiro complexo de lojas subdividido em segmentos. Mais tarde, esta ideia originaria a criação dos shoppings centers.


Henri Evenepoel - "Orange market in Blidah"
Foto: Reprodução

Mercado de Trajano, em Roma, o shopping center mais antigo do mundo
Foto: Reprodução

As vitrines, tal como conhecemos nos dias atuais, originaram-se na Europa, no fim do século XVIII. Em Londres, o primeiro a utilizar esta estratégia de venda foi o varejista e reformista social Francis Plate, em seu estabelecimento de alfaiataria. Muitos condenaram a prática, mas Plate defendia-se dizendo que expor seus produtos em vidros o fazia adquirir mais bens do que o salário de quem vendia jornais.

Confecção de moda - Século XVIII
Foto: Reprodução

Chapelaria - Século XVIII
Foto: Reprodução

Chapelaria em Paris - 1910
Foto: Reprodução

Vitrines no período Eduardiano
Foto: Reprodução


Loja de crinolinas - 1860
Foto: Reprodução

A estratégia não foi popular até a década de 1920, quando ainda era considerada inovação. Somente a partir de 1930, com a explosão de Hollywood e o cinema falado, manequins passaram a ser exibidos em muitas lojas, e o vitrinismo se consolidou como uma poderosa ferramenta de merchandising a partir de 1950.

1924
Foto: Reprodução

1929
Foto: Reprodução

Liberty & Co. - 1946
Foto: Reprodução

Atualmente, há cinco tipos de vitrines:

  • Vitrine contínua – A vitrine contínua é uma sequência de vitrines lado-a-lado, mantendo o mesmo elemento decorativo e conceito;
  • Vitrine em escala – Os produtos são exibidos ora em tamanhos grandes, ora em tamanhos reduzidos;
  • Vitrine expositiva – As vitrines expositivas são responsáveis por 80% das vendas em lojas de varejo. Nelas são utilizados elementos como suportes, displays e manequins;
  • Vitrine aérea – Vitrines aéreas são formadas por elementos suspensos, que tanto podem ser produtos como podem ter apenas sentido decorativo;
  • Vitrine visual – A vitrine visual busca atrair o consumidor através dos sentidos. 

Comme des Garçons
Foto: Reprodução

Yohji Yamamoto
Foto: Reprodução

Fendi
Foto: Reprodução

Chanel
Foto: Reprodução

Yves Saint Laurent
Foto: Reprodução

O vitrinismo, bem como demais formas de publicidade, exige do profissional domínio da natureza humana, de maneira a penetrar as necessidades do consumidor. O vitrinista deve estar atento à disposição e harmonia de cores, conceito do produto e elementos decorativos, para despertar sensações no público-alvo. Assim como catálogos, editoriais e mídias sociais, o vitrinismo é parte essencial na construção, entendimento e veiculação de imagens de moda.


Referências:

Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e sociedade.

4 comentários:

  1. Gente, para tudo! O que é aquela vitrine de 1929??? Isso porque teve uma crise financeira feia naquele ano! Lindo demais!

    ResponderExcluir
  2. Show as vitrines de 20's e 40's.
    Que arraso de matéria! Muito bom o artigo. Parabéns!

    Ariadne
    De volta ao retrô

    ResponderExcluir